Confira os 5 tipos de operação realizados na Bolsa de Valores!

6 minutos para ler

Você sabe quais são os tipos de operação na Bolsa de Valores? O princípio básico do mercado financeiro é aproveitar movimentos de preços para obter lucratividade para a sua carteira de investimentos.

Isso pode ser feito de inúmeras formas, mas o detalhe principal sempre será comprar barato e vender caro ou vender caro e comprar barato. Para fazer isso, existem diversas modalidades de operação que um investidor pode utilizar.

Neste artigo, mostraremos 5 desses tipos de operação mais comuns e que você pode começar a conhecer a partir de agora. Continue a leitura!

1. Day Trade

O Day Trade pode ser traduzido como “dia de negociações”. Basicamente, é uma estratégia em que a entrada e a saída da operação ocorrem dentro do mesmo dia, durante o horário do pregão da Bolsa de Valores.

Não importa o tempo pelo qual o investidor mantém o ativo, desde que encerre a operação até o último minuto em que a Bolsa de Valores está aberta. Sendo assim, será considerado como uma operação de Day Trade.

Esse tipo de operação é de alto risco, afinal, o profissional fica exposto às oscilações momentâneas do mercado e pode perder o dinheiro utilizado muito rapidamente. Por outro lado, da mesma forma que é possível ter prejuízo, também é perfeitamente viável ter lucros muito altos.

Aplicando uma quantia pequena de dinheiro, existe a possibilidade de movimentar grandes volumes financeiros — graças ao sistema de alavancagem fornecido pelas corretoras —, rentabilizando o seu capital de forma significativa. Quanto aos riscos, existem diversas formas de reduzir esse problema, mas todas se resumem em dois princípios básicos do mercado: o estudo e a disciplina. Além disso, os custos do Day Trade tendem a ser maiores, especialmente com relação ao Imposto de Renda, que é de 20% sobre a lucratividade total.

Apesar disso, existem corretoras e bancos de investimento que isentam a corretagem para operações de Day Trade ou oferecem valores bastante reduzidos para que a pessoa inicie nessa modalidade. Para fazer essas operações, você pode utilizar dois métodos de análise de mercado. O mais comum é a análise gráfica, que, como o próprio nome sugere, utiliza gráficos e indicadores de preços e movimentos para embasar as decisões do investidor.

Além disso, existe a análise de fluxo ou, como muitos gostam de chamar, o Tape Reading, que verifica o impacto das operações de outros investidores do mercado nos preços para que se posicionem. Você pode escolher uma delas ou, simplesmente, aplicar as duas para definir o seu operacional.

2. Scalping Trade

O Scalping é um tipo de operação que também pode ser considerado como Day Trade, afinal, ela sempre é iniciada e concluída dentro de um mesmo dia. A diferença fundamental é que esse tipo de negociação tem por objetivo aproveitar movimentos mais curtos de um ativo e, consequentemente, alvos pequenos.

Ela é utilizada para aproveitar oportunidades rápidas que aparecem com frequência no mercado, entretanto, dependendo do seu modelo operacional, pode não ser interessante apostar apenas nesse tipo de operação, pois as taxas de corretagem e da Bolsa de Valores podem prejudicar bastante a rentabilidade.

A desvantagem maior desse tipo de operação é que a relação entre risco e retorno é de 1 para 1. Ou seja, se o investidor fizer seis operações e tiver uma taxa de acerto de 50%, pode ficar no prejuízo, pois não terá ganhado nada e ainda precisará pagar os custos. Sendo assim, esse tipo de operação é mais interessante para momentos específicos do mercado ou para quem já é muito avançado, tem uma alta taxa de acertos em seus trades diários e um perfil mais agressivo.

3. Swing Trade

O Swing Trade é um tipo de operação que ocorre em um prazo sempre maior que um dia. Geralmente, as pessoas que utilizam esse modelo operacional ficam posicionadas alguns dias, semanas ou, até mesmo, um mês inteiro.

Quem faz esse tipo de operação prefere a análise gráfica, pois ela é capaz de demonstrar o histórico de preços do ativo com o qual o investidor deseja se posicionar. O Swing Trade é um modelo operacional que exige muita paciência e uma estratégia bem definida. Além disso, nesses casos, é essencial a diversificação da carteira. Afinal, eventuais quedas de preço podem ser suprimidas por lucros obtidos em outros ativos, dessa forma, protegendo o seu patrimônio total.

4. Position Trade

O Position Trade é uma modalidade de operações que tem um prazo ainda maior que o Swing Trade. Nesse caso, as entradas podem durar de 1 a 12 meses para serem concluídas. Esse tipo operacional também utiliza a análise gráfica, entretanto, o tempo dos gráficos costuma ser maior, podendo ser semanal ou mensal.

Além disso, também devem ser analisados os fundamentos relacionados à empresa, como a publicação de demonstrativos financeiros e contábeis e algumas notícias que podem impactar o ativo ou a companhia em que você pretende investir.

5. Investimento de longo prazo

Por fim, temos os investimentos de longo prazo. Nesse caso, o investidor escolhe alguns ativos e faz os aportes, mas sem pensar em resgate a princípio. O foco nesse caso é alcançar objetivos maiores, como a aquisição de um imóvel, viagens ou, até mesmo, a aposentadoria.

Como o prazo de investimento é maior, os riscos também são reduzidos, entretanto, não se engane, pois, ainda assim, é necessário fazer um amplo estudo de viabilidade da aplicação. Isso é válido, especialmente, se você pretende utilizar ativos de renda variável, como ações de empresas.

A falta de estudo nesse caso pode fazer com que você adquira um ativo em um preço muito elevado, dificultando a sua valorização durante meses ou, até mesmo, anos. Por exemplo, quem comprou ações da Petrobras próximo da sua máxima histórica, por volta dos R$ 30, sofreu bastante durante o ano de 2020, quando o papel “derreteu” e demorou meses para voltar a subir.

Isso é um exemplo de pessoas que montam posições pensando no longo prazo sem o devido estudo e sem o gerenciamento necessários.

Como você pôde perceber, existem diversos tipos de operação na Bolsa de Valores. Para saber qual é a modalidade mais adequada ao seu perfil e aos seus objetivos, é essencial contar com o auxílio de um profissional qualificado e, principalmente, certificado nesse tipo de mercado, considerando também a relevância de manter uma carteira diversificada para reduzir os riscos dessa prática.

Este conteúdo foi útil? Então, deixe o seu comentário no campo abaixo e contribua com a sua experiência sobre o tema.

Posts relacionados

Deixe um comentário