Precificação de opções: entenda o que é e como funciona

4 minutos para ler

Se você deseja investir em derivativos, precisa primeiro entender como funciona a precificação de opções. Afinal, essa é uma das modalidades de investimentos mais comuns nesse mercado.

Uma opção é um contrato em que o investir compra o direito de comprar ou vender determinada ação em uma data específica e por um preço pré-combinado. É importante ter em mente que uma opção garante apenas o direito — e não a obrigação — de executar esse contrato. Portanto, se ele não for vantajoso para você, é possível simplesmente não o executar.

Nesse sentido, é essencial entender como funciona a precificação de opções para compreender se devemos ou não comprar uma opção. Quer saber mais sobre o assunto? Então, siga a leitura!

O que é a precificação de opções?

A precificação de opções é o mecanismo que permite ao investidor compreender e formar os preços para os contratos de opção que compra ou lança no mercado de derivativos.

No geral, o preço de uma opção é formado por dois valores diferentes: o intrínseco (o ganho financeiro, se a opção for exercida imediatamente) e o extrínseco (a remuneração pela possibilidade de oscilação do valor intrínseco até a data do vencimento da opção).

Dependendo do valor intrínseco e extrínseco de uma opção, ou seja, dependendo da possibilidade de dar lucro ou de oscilar de modo a dar lucro no futuro, haverá maior ou menor demanda por ela.

Assim, o preço tentará refletir essa demanda. Para o investidor, é essencial usar modelos matemáticos para tentar medir a demanda e entender a precificação de opções.

Como ela interfere nas suas estratégias?

Uma coisa importante a compreender sobre o mercado de opções é que ele é um mecanismo de defesa contra risco no mercado. Ao comprar um direito de opção de compra ou de venda, você paga pela possibilidade de se proteger no futuro, seja qual for o cenário.

No entanto, é o valor do prêmio que você deve pagar que pode variar bastante e precisa ser precificado. Afinal, de certa forma, uma opção é como um seguro para o seu carro. Dependendo da probabilidade de um acidente ou conforme o valor de seu automóvel, o seguro será precificado de uma forma diferente.

Ao saber como precificar uma opção, você pode montar adequadamente a sua estratégia de investimento ou análise de risco.

Quais são os principais modelos de precificação?

Existem vários modelos matemáticos diferentes que são usados na precificação de opções. O mais comum aqui no Brasil é o Black-Scholes. Esse modelo é muito útil para precificar opções da modalidade europeia, que é o tipo de opção em que o detentor só pode executá-la na data estipulada em contrato.

Para precificar a opção, o modelo Black-Scholes usa as seguintes variáveis:

  • preço de exercício do ativo;
  • data de exercício (medida como fração de um ano);
  • preço da ação;
  • taxa de juro livre de risco;
  • volatilidade da ação (medida como o desvio padrão dos seus retornos).

Ao aplicar essas variáveis em uma complexa fórmula matemática, é possível chegar ao preço de uma opção. No entanto, existem outros modelos muito usados também. Um exemplo é o Garman-Kohlhagen e Black, que é uma variação do Black-Scholes usado em opções cambiais.

Outro modelo muito usado é a Simulação de Monte Carlo, mais útil para lidar com derivativos com diferentes variáveis ou cujo retorno dependa do histórico da variável.

Agora que você já entende melhor sobre como funciona a precificação de opções e conhece os modelos mais populares para isso, está melhor equipado para entrar no mercado de derivativos.

No entanto, se você sente que ainda pode estudar mais sobre o assunto, leia mais sobre os derivativos financeiros!

Posts relacionados

Um comentário em “Precificação de opções: entenda o que é e como funciona

Deixe um comentário