O que são derivativos financeiros? Entenda antes de investir!

6 minutos para ler

Afinal, o que são derivativos financeiros? Atualmente, as aplicações de renda fixa tiveram um corte brutal em sua rentabilidade. Consequentemente, muitos investidores abandonaram essas modalidades e passaram a procurar outras, que, apesar de terem riscos maiores, podem proporcionar ganhos substancialmente elevados.

Entretanto, quando voltamos o olhar para esse mercado, acabamos nos deparando com uma série de opções que podem ser desconhecidas até mesmo por aqueles que já têm algum tempo atuando como investidores.

Neste artigo, portanto, descreveremos uma dessas opções — os derivativos financeiros. Mostraremos tudo o que é necessário saber sobre essa modalidade. Acompanhe!

O que são derivativos financeiros?

Quando você ouvir a palavra “derivativo”, saiba que se trata de um acordo financeiro que estabelece determinado valor de um ativo subjacente. Ou seja, isso significa que os derivativos não têm um preço em si e dependem do ativo ao qual estão ligados.

Nesse sentido, eles são contratos que têm seus valores baseados em outros ativos. Assim, não é necessário que o vendedor tenha o ativo, entretanto, ele pode ofertar o dinheiro necessário para comprá-lo ou dar outro tipo de contrato derivado ao comprador.

Geralmente, esses instrumentos são utilizados para cobrir investimentos especulativos. Por exemplo, caso um operador queira especular sobre um derivativo, ele obterá lucros se a compra ocorrer com um valor inferior ao preço do ativo subjacente ao qual ela está atrelada. 

Quais são os tipos existentes?

Agora que você entendeu o que são derivativos financeiros, mostraremos os principais tipos que existem no mercado atualmente. Acompanhe!

Mercado a termo

Essa é considerada uma das modalidades mais simples de investimento no mercado de derivativos. Esse tipo de operação ocorre quando os envolvidos em um negócio fazem um acordo de compra e venda que será concretizado em data futura, que deve ser fixada no momento da negociação.

Isso pode ocorrer da seguinte forma: imagine a figura de dois investidores. Um compra papéis de determinada empresa no dia de hoje e, depois, vai ao mercado de derivativos e oferece a oportunidade a outro investidor com a possibilidade de ele comprar aqueles ativos por um valor fixado entre eles. 

É interessante frisar que o montante a ser pago pelo segundo investidor não precisa, necessariamente, ser o mesmo que o primeiro pagou no momento da compra. No dia em que a data da operação chegar, ocorrerá a liquidação, e a venda dos papéis será efetivada no preço acordado.

Mercado futuro

O mercado futuro se movimenta de acordo com princípios parecidos com o que mencionamos, entretanto, com uma diferença fundamental: nele, não existem vinculações entre as partes dos contratos, ou seja, o investidor pode vendê-lo mesmo antes de seu vencimento.

Dessa forma, essa opção de investimento acaba tendo mais liquidez que a anterior. Outra característica interessante é que esses contratos sofrem ajustes diários de acordo com seus preços e variações do mercado.

Mercado de opções

As opções dão ao comprador a possibilidade de adquirir um ativo com determinado preço e quantidades no futuro — tudo isso de acordo com o que foi previamente estabelecido entre as partes. Entretanto, não existe obrigação de a operação ser efetivada na data de vencimento do contrato.

Trazendo para um exemplo prático, suponhamos que um investidor adquire determinada opção de compra de dólar por R$ 3,00 com vencimento para 90 dias. Quando esse tempo chegar, o comprador escolherá se vai vender ou não, bem como se realizará a compra dos dólares analisando sempre o preço à vista da moeda na cotação atual.

Nesse sentido, se ela estiver cotada com valores acima de R$ 3,00, pode ser um bom negócio executar a operação, assim, ele desembolsará menos para adquirir os dólares.

Swap

Para finalizar esta parte, temos os Swaps, que não são tão comuns como os exemplos anteriores. Basicamente, fazem com que as partes assumam uma posição ativa ou passiva e troquem a rentabilidade entre esses dois ativos.

Quais são as vantagens desse tipo de investimento?

Agora, mostraremos as principais vantagens desse tipo de investimento. Continue lendo!

Proteção

Sem dúvidas, a vantagem número 1 de operar derivativos é o que conhecemos como Hedge, ou proteção do investidor contra variações, tais como taxas de juros, moedas ou preços. Esse tipo de proteção, na prática, é o mesmo que ter uma posição oposta àquela que foi assumida no mercado. Consequentemente, é possível reduzir riscos de perdas que podem ocorrer nas flutuações de preços.

Alavancagem

Os derivativos também possibilitam a alavancagem de posições. Esse instrumento permite ao investidor comprar um ativo com valores menores do que se fosse fazê-lo no mercado à vista. Por exemplo, ele pode adquirir contratos futuros do Ibovespa acreditando em um movimento de alta em vez de comprar ações.

Como você pode perceber, esse tipo de operação pode fazer a rentabilidade dos investimentos crescer a um custo inferior, entretanto, eleva a possibilidade de perdas. Ou seja, quanto maior a chance de retorno, mais elevado também será o risco.

Arbitragem

A arbitragem tem como objetivo aproveitar as diferenças de preços de um mesmo ativo que é negociado em mercados distintos. Por isso, é possível arbitrar entre vencimentos futuros e distintos ou utilizando combinações entre duas ou mais opções de um mesmo tipo, porém com preços de exercícios diferentes.

Assim, diferentemente do especulador, aquele que faz arbitragem tem suas posições fixadas em dois segmentos do mercado, e um deles dilui um pouco o risco que o investidor corre.

Especulação

Uma operação de especulação é um procedimento em que o operador assume uma posição no mercado futuro. Além disso, também é classificada nesse conceito a aplicação em opções que não têm uma posição que possa ter a devida correspondência com o mercado à vista.

O objetivo dessa modalidade é operar em uma tendência de preços do mercado tendo como preocupação principal a alavancagem do capital. Assim, o investidor assume riscos elevados, entretanto, há expectativas de obter maior ganho.

Por fim, é importante mencionar que esse tipo de investimento demanda dedicação e estudos mais aprofundados por parte do investidor. Além disso, é imprescindível o acompanhamento de um bom profissional que, efetivamente, entenda do assunto para garantir que suas movimentações nesse mercado possam ser mais lucrativas.

Assim, além de saber o que são derivativos financeiros e as suas principais características, é crucial também conhecer outros pontos desse mercado para garantir o sucesso em suas aplicações e reduzir ao máximo o nível de riscos que possam existir.

Gostou destas informações? Quer saber um pouco mais sobre o assunto? Então, convidamos a entrar em contato conosco e conferir as soluções sobre derivativos financeiros que você pode ter acesso.

Posts relacionados

2 thoughts on “O que são derivativos financeiros? Entenda antes de investir!

Deixe um comentário