Investir no Brasil ou no exterior? Saiba qual é a melhor opção!

6 minutos para ler

Afinal, vale mais a pena investir no Brasil ou no exterior? Essa é uma pergunta que muitas pessoas fazem, pois, de fato, aplicar dinheiro em ativos de outros países pode ser mais seguro devido ao fato de a economia brasileira ainda passar por algumas instabilidades.

Entretanto, abrir uma conta em uma corretora de outro país, enviar dinheiro para ela e estudar sobre um mercado totalmente diferente do nosso pode ser muito complicado, o que faz muitas pessoas desistirem.

No entanto, existem meios de fazer isso a partir do nosso país, sem ter que enviar dinheiro para fora. Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura!

A importância de diversificar a carteira

Inicialmente, é importante entender por que tocar no assunto de investimento no exterior. Isso é necessário para que você possa diversificar a sua carteira. Lembra-se daquele velho ditado: “nunca coloque todos os ovos em uma única cesta”? Afinal, se ela cair, todos eles poderão ser perdidos.

Com o mercado financeiro, funciona basicamente da mesma forma, porém, os ovos do ditado representariam o seu dinheiro. Se você colocar todo o seu capital em um único ativo e ele perder o seu valor de mercado, todo o seu patrimônio será comprometido.

Por mais que pareça óbvio, muitas pessoas ainda insistem em deixar todo o capital ou grande parte dele alocado em um único fundo de investimentos ou em uma ação de uma empresa, correndo grandes riscos de perder tudo.

Ao diversificar, os seus riscos são fracionados e, caso algum ativo venha a perder valor eventualmente, outros podem gerar resultados positivos, mantendo a sua carteira sempre estável e evitando grandes perdas. Além disso, a diversificação de investimentos também é importante para proporcionar rentabilidades diferenciadas, potencializando o resultado de suas aplicações.

O investimento no exterior por meio do mercado nacional

Agora que você entendeu a importância da diversificação, mostraremos como é possível investir no exterior por meio do mercado brasileiro. Para tanto, apresentaremos alguns instrumentos financeiros que podem levar os investidores até esses ativos sem que seja necessário abrir contas em corretoras e enviar recursos para o exterior.

Fundos de investimentos

Uma alternativa é encontrar fundos de investimento que fazem aplicações em ativos estrangeiros. Essa é considerada a forma mais simples de ter acesso à rentabilidade de ativos comercializados no exterior.

Brailian Depositary Receipts (BDR)

Os BDRs são certificados que representam papéis emitidos por empresas estrangeiras, entretanto, negociados na Bolsa de Valores brasileira. Nesse caso, o investidor não compra ações da empresa estrangeira em si, mas, sim, títulos que as representam em território nacional.

As ações que estão atreladas a esse certificado, de fato, existem na Bolsa de Valores de origem, entretanto, elas ficam depositadas e bloqueadas por um custodiante e quem garante que isso acontece é a instituição que figura como depositária e que emite o BDR no mercado brasileiro.

As BDRs passaram por algumas mudanças na regulamentação proferida pela Comissão de Valores Mobiliários. A partir de setembro de 2020, haverá a flexibilização de algumas restrições que existiam no mercado.

Por exemplo, será permitida a emissão de BDRs lastreados em ações que foram emitidas por estrangeiros, porém, com ativos ou receitas nacionais e, até mesmo, títulos da dívida brasileira. Além disso, também existe a previsão de que, dependendo do mercado em que os valores do BDR sejam listados, os investidores considerados como não qualificados, ou seja, que não sejam capazes de fazer aportes superiores a R$ 1 milhão, também terão acesso a essas negociações.

Com essas mudanças, pessoas físicas também terão acesso a esse tipo de investimento, abrindo ainda mais o leque de oportunidades na Bolsa de Valores, favorecendo o pequeno investidor ou aquele que ainda está iniciando nesse mercado.

Exchange Traded Funds (ETF)

Além do BDR, também temos outro ativo que pode ser movimentado na Bolsa de Valores brasileira e que também é atrelado a ativos estrangeiros. Os ETFs são índices de ações de outros países (como o Ibovespa brasileiro, que é negociado diariamente durante os pregões) que buscam replicar de forma fidedigna os movimentos da carteira atrelada ao seu desempenho no exterior.

Com esse ativo, passou a ser possível negociar, dentro da B3, um índice americano muito conhecido, que é o S&P 500. Na realidade, o ETF replica o movimento do ativo na Bolsa de Valores brasileira.

A relevância dos investimentos no exterior

Além da questão da diversificação de investimentos, aplicar o seu dinheiro no exterior é importante para proteger a sua carteira. Existe um procedimento denominado de Hedge, feito por muitos investidores experientes e, até mesmo, por alguns iniciantes.

Esse tipo de operação tem por objetivo aportar uma quantia do capital em ativos mais sólidos que, dificilmente, sofreriam com eventuais crises no mercado, como alguns commodities e uma moeda estrangeira, como o Dólar.

Como o Brasil é um país que passa por instabilidades no mercado financeiro com muita frequência, os ativos estrangeiros figuram como uma excelente opção para fazer esse procedimento de Hedge. Investir em empresas americanas mais sólidas, por exemplo, pode ser uma opção para proteger o seu capital.

Entretanto, mais importante que fazer Hedge da sua carteira é contar com o apoio de um profissional especializado no assunto. Dessa forma, ele o orientará sobre os melhores ativos estrangeiros para compor a sua carteira, bem como acerca das formas de ter acesso a eles.

Além de ser um profissional qualificado, a pessoa que vai orientá-lo frente a esse mercado também precisa ser certificada e habilitada pelos órgãos competentes. Essa regulamentação é fundamental porque nem todo mundo pode oferecer orientações de compra e venda de ativos. Existem alguns procedimentos para que um profissional possa exercer essa atividade.

Agora que finalizamos a leitura, você já deve ter a resposta para a pergunta: “investir no Brasil ou no exterior?”. Com todas essas informações, poderá iniciar as suas aplicações em nosso país, porém, com ativos de outros locais do mundo, protegendo o seu capital e extraindo excelentes rentabilidades.

Se você gostou deste conteúdo e quer continuar recebendo as nossas postagens, assine a nossa newsletter. Fazendo isso, avisaremos todas as vezes em que um novo post for publicado. 

Posts relacionados

Deixe um comentário