4 opções de investimento para aposentadoria que trazem retorno!

7 minutos para ler

Afinal, quais são os principais investimentos para aposentadoria? Essa é uma dúvida muito comum entre as pessoas, especialmente para quem não deseja ser dependente da previdência oficial disponibilizada pelo Governo Federal.

Utilizar investimentos para aposentadoria é uma excelente saída para aqueles que gostariam de ter um pagamento superior no futuro, garantindo mais tranquilidade e qualidade de vida quando chegar a tão sonhada etapa de descanso na terceira idade.

Neste artigo, mostraremos os principais ativos que podem ser utilizados para essa finalidade. Continue a leitura e confira!

1. Previdência privada

Quando se fala em aposentadoria utilizando investimentos, o primeiro ativo que vem à mente da maioria das pessoas é a famosa previdência privada. Afinal, o objetivo principal é fornecer uma renda capaz de ser utilizada para essa finalidade.

Os planos de previdência privada são de simples compreensão. Eles são divididos em duas fases. A primeira é chamada de período de acumulação, que, como o próprio nome sugere, é aquela etapa em que o investidor faz os aportes periódicos na sua conta para garantir que o capital cresça ao longo dos anos.

A segunda fase do plano de previdência privada é chamada de usufruto. Basicamente, é aquele momento em que o investidor passa a receber todo o capital acumulado e acrescido do respectivo percentual de rentabilidade que foi obtido com o tempo.

Essa modalidade de investimento para aposentadoria é muito interessante para aquelas pessoas que não querem se preocupar com eventuais flutuações dos indicadores do mercado financeiro e que desejam fazer pagamentos periódicos em vez de um aporte único com um valor elevado.

2. Tesouro Direto

O Tesouro Direto é uma modalidade de investimentos em que o investidor, de certa forma, “empresta” dinheiro para o Governo Federal realizar as suas atribuições voltadas à sociedade como um todo. Em troca desse “empréstimo”, ele recebe um percentual correspondente à taxa de juros, que pode ser pré ou pós-fixada.

No primeiro caso, o investidor conhece a rentabilidade do seu investimento a partir do momento em que ele adquire o ativo. No caso das taxas de juros pós-fixadas, a rentabilidade da aplicação estará vinculada a um indexador econômico, como o IPCA — índice que mede a inflação no Brasil.

O próprio site do Tesouro Direto oferece a possibilidade de planejamento de aposentadoria com aportes periódicos, como acontece na previdência privada. A diferença é que o resgate dessa modalidade é feito de forma instantânea, diferentemente do exemplo anterior, em que é possível criar uma renda mensal periódica ou vitalícia.

Um dos principais motivos que fazem as pessoas escolherem o Tesouro Direto como forma de aposentadoria é o grande nível de segurança que existe nessa modalidade de aplicação. Apesar de ela não contar com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), estamos tratando de um ativo vinculado ao Tesouro Nacional administrado pelo Governo Federal.

Logo, se existe a possibilidade de o país quebrar ou de aplicar um calote em seus próprios investidores, é algo mínimo e quase insignificante, o que faz do Tesouro Direto um dos investimentos de renda fixa mais seguros que existem na atualidade.

Apesar desse fato, tanto o Tesouro Direto quanto a previdência privada e outros ativos que mencionaremos neste artigo tiveram a sua rentabilidade brutalmente cortada com as constantes reduções que vêm sendo aplicadas à SELIC, a taxa de juros básica da economia.

Entretanto, sabemos que esse cenário de taxa de juros em patamares baixíssimos em um país que necessita de investimentos externos e internos, como o Brasil, é algo praticamente insustentável. Nesse sentido, a tendência é de que esse percentual volte a subir um pouco, mas, dificilmente, ele ficará em patamares altíssimos ou acima de 10%, como já testemunhamos em outros momentos da nossa história.

3. Fundos de investimento

Os fundos de investimento também podem ser utilizados como aposentadoria para aquelas pessoas que querem diversificar as suas operações e colocar parte do dinheiro em algo um pouco mais arriscado.

A grande vantagem desses investimentos é que a rentabilidade obtida pode ser consideravelmente superior a todas as outras modalidades de investimentos que mencionaremos ou mencionamos ao longo deste artigo. Porém, não podemos deixar de lembrar que estamos tratando de uma aplicação que tem certo grau de risco.

Justamente por isso, os fundos de investimento podem ser utilizados como uma forma de diversificar as suas aplicações para a aposentadoria, potencializando a rentabilidade do seu capital ao longo dos anos.

Muitas pessoas — especialmente aquelas que têm um perfil de investidor mais conservador — não suportam ouvir a palavra “risco”. Entretanto, é importante saber que a rentabilidade da sua aplicação sempre será relacionada à chance de perda existente.

Por exemplo, uma pessoa que trabalha no mercado de opções na Bolsa de Valores está exposta a determinado grau de risco. Ou seja, ela pode perder parte do seu capital. Porém, as chances de fazer uma operação e ganhar muito dinheiro também são muito grandes. Nesse ponto, o que sempre deve ser levado em consideração é o famoso “risco vs. retorno”.

4. Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio

As Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCI e LCA) são ativos de renda fixa que também podem ser utilizados para a aposentadoria privada. Basicamente, ao adquirir um título desse tipo, o investidor está emprestando o seu dinheiro para que empresas que trabalham no setor imobiliário e do agronegócio fomentem as suas atividades.

A contrapartida, portanto, fica por conta da remuneração feita por meio de uma taxa de juros. Apesar de esses ativos também sofrerem com reduções na sua rentabilidade, eles podem ser interessantes por dois motivos muito simples. Primeiro, em ambos os casos, existe a proteção do FGC no limite de R$ 250.000,00 por CPF e por título.

Além disso, as LCIs e LCAs não são tributadas pelo Imposto de Renda, o que pode impactar de forma positiva a rentabilidade da aplicação. Também existe uma disponibilidade muito grande desses ativos no mercado e você consegue encontrá-los facilmente em um banco ou em uma corretora.

Como você pôde perceber, existem muitas opções para a aposentadoria. Nesse sentido, algumas pessoas podem ter dúvidas e tomar decisões incorretas quanto à aquisição desses títulos. O perigo maior por trás desse tipo de conduta é perceber o erro somente depois de anos de contribuição ou de aportes.

Nesse caso, para evitar esse tipo de problema, vale a pena contar com a assessoria de profissionais que conhecem esse mercado. Dessa forma, eles avaliarão o seu perfil e indicarão a melhor opção para a sua aposentadoria. Além disso, eles podem propor mudanças e adequações no seu plano com o passar do tempo, no caso de pessoas que têm algum tipo de alteração positiva ou negativa em suas finanças.

Essas modalidades de investimento para aposentadoria podem proporcionar toda a liberdade financeira de que uma pessoa precisa para o futuro, especialmente quando chegar o tão sonhado momento de deixar de lado o trabalho e viver apenas dos frutos de todos os recursos levantados e investidos com o tempo.

Gostou deste artigo? Que tal continuar por dentro de todos os nossos novos conteúdos? Para tanto, siga os nossos perfis nas redes sociais: Instagram e YouTube.

Posts relacionados

Deixe um comentário