Quer saber como funciona o Imposto de Renda sobre as ações?

3 minutos para ler

Conhecer a aplicação do Imposto de Renda sobre ações é fundamental para um investidor que pretende investir ou já investe nesse mercado. Afinal, existem diversas hipóteses de incidência que você precisa conhecer profundamente para evitar cometer erros.

Deixar de pagar o Imposto de Renda, além de obrigar o recolhimento de multas, pode gerar consequências graves para o investidor e, em casos extremos, levar à cobrança por meio da justiça.

Considerando a grande relevância do assunto, nós resolvemos escrever este artigo. Nele, mostraremos tudo que você precisa saber sobre o IR das ações. Boa leitura!

Como funciona o Imposto de Renda sobre ações?

O Imposto de Renda (IR) é um tributo de responsabilidade da Receita Federal que incidirá sobre diversos tipos de rendimento — por exemplo, de natureza salarial e, principalmente, de investimentos.

Alguns ativos são beneficiados com a isenção do IR, o que não acontece no caso da renda variável. Entretanto, existem algumas faixas de lucratividade que não contribuem para esse tributo e que mencionaremos logo a seguir.

Quem deve pagar o tributo?

Devem pagar o Imposto de Renda sobre ações os investidores que venderam papéis que ultrapassaram R$ 20.000 dentro de um mês. Sendo assim, se você apenas comprar ações de uma companhia e não as vender, não existe a incidência do IR.

No entanto, o imposto incidirá apenas sobre a rentabilidade. Por exemplo, imagine que você adquiriu ações de uma determinada empresa por R$ 15.000 e vendeu por R$ 25.000. Nesse caso, a sua base de cálculo será de apenas R$ 10.000 e não do valor total da operação.

Quais são as alíquotas?

Com relação às alíquotas, existem algumas particularidades. O percentual natural do Imposto de Renda será de 15%. Entretanto, operações de Day Trade — que iniciam e encerram em um mesmo dia — são tributadas com 20% sobre a rentabilidade.

Como preencher o DARF?

Inicialmente, é importante ter em mente que o DARF não é um tributo, mas, sim, a forma de recolhimento. Ele nada mais é que uma sigla que designa o termo “Documento de Arrecadação da Receita Federal”.

Preencher o DARF é muito simples. Isso pode ser feito por meio de um programa da Receita Federal ou no próprio portal do órgão na internet. Você deve somar os valores constantes em suas notas de corretagem e inserir nos campos específicos.

Tenha cuidado com o código de recolhimento, que é o 6015, específico para investimentos na Bolsa de Valores. O pagamento deve ser feito no último dia útil do mês subsequente ao fato gerador, ou seja, às receitas obtidas. 

Ainda sobre o preenchimento do DARF, é importante que você armazene todas as suas notas de corretagem e elabore uma planilha com todos os valores de compras e vendas para facilitar no momento de preencher a sua declaração do Imposto de Renda.

Seguindo esses passos à risca, você não terá problemas para apurar e pagar o Imposto de Renda sobre ações, evitando cobranças por parte dos órgãos competentes e, principalmente, o pagamento de multas e juros.

Gostou das informações deste artigo? Se tiver alguma dúvida ou algo a acrescentar, deixe um comentário logo abaixo. 

Posts relacionados

Deixe um comentário