4 aspectos sobre os dividendos sintéticos que você deve saber!

5 minutos para ler

As empresas que têm suas ações negociadas na bolsa de valores devem distribuir parte de seus lucros para os acionistas. No entanto, o investidor pode operar os ativos para gerar, ainda, o dividendo sintético.

Não sabe o que isso significa? Calma, neste artigo vamos explicar esse conceito, como funciona e ainda como obter rendimentos maiores com dividendo sintético. Aliás, conheça, também, as vantagens para não perder dinheiro. Podemos começar?

1. O que é o dividendo sintético?

O dividendo sintético é uma operação de ganha-ganha, que permite obter dinheiro com a alta das ações e se proteger das quedas ao mesmo tempo, gerando renda mensal. Trata-se, na verdade, de uma operações com opções, também conhecida como lançamento coberto ou venda coberta.

Para entender melhor, imagine que você queira vender uma moto que custa R$ 20 mil. Publicou um anúncio e surgiu um comprador que terá a quantia dali a 30 dias. Para não perder o negócio, ele paga a você um sinal de R$ 500. Esse valor dá ao interessado o dinheiro de comprar a moto pelo preço acordado durante o prazo estipulado.

Dessa forma, o veículo não poderá ser mais negociado dentro do prazo acordado e o valor deverá continuar o mesmo. Todavia, ao expirar a data, se o comprador não pagar tudo perderá o direito de aquisição. Nesse caso, você fica com o ativo ou o coloca novamente à venda, se quiser, pelo mesmo preço ou por outro valor que achar melhor.

Agora, o que isso tem a ver com os dividendos sintéticos? Quem tem ações de uma determinada empresa pode vender opções de compra dela, que dão a quem as adquire o direito de comprar aquelas ações, pelo preço acordado, no valor estipulado. Isso é conhecido como dividendo sintético ou como venda coberta ou ainda como lançamento coberto.

Ou seja, é uma operação ao sinal dado pelo direito de comprar a moto por R$ 20 mil em até 30 dias. Para isso, o vendedor teve um prêmio de R$ 500. Esse é o valor de garantia para que uma negociação seja feita em determinado período, independentemente do valor de mercado.

2. Como funcionam os dividendos sintéticos?

Imagine que um investidor tenha ações da empresa XPTO, que distribui lucros uma vez por ano. Para criar uma recorrência disso, ele estrutura um lançamento coberto de opções XPTO, vendendo o direito daqueles papéis para uma determinada pessoa em troca de um pagamento em dinheiro num prazo estipulado.

Desse modo, ele receberá o prêmio dessa venda como fluxo de caixa. Contudo, é obrigado a vender as ações ao comprador, se ele optar pelo direito de compra, até a data com preço determinado.

Essa opção de compra é um contrato que dá o direito e, não a obrigação, de adquirir as ações de uma empresa por certo preço e data de vencimento. Caso o vendedor tenha as ações, ela é coberta porque ele entregará os ativos sem precisar comprá-los a um custo incerto.

Se o comprador não exercer seu direito, o investidor repetirá a operação depois da data delimitada. Do contrário, terá que adquirir novamente e recomeçar a negociação. Isso limita os valores das ações que o investidor pode vender e cria um fluxo de caixa semelhante ao de dividendos, Além de controlar como e quando receber os rendimentos das ações de sua carteira.

3. Qual é a sua importância para a independência financeira?

Os dividendos podem colaborar para a sua independência financeira. Com os rendimentos, é possível reinvestir em ações, saber quando receberá os pagamentos, aumentar seu patrimônio ou tornar aquela quantia uma renda mensal. Isso ajudará a pagar contas e realizar seus sonhos. Dessa maneira, não ficará dependente do seu salário.

4. Quais são as suas vantagens?

As vantagens dos dividendos sintéticos são bem atrativas, porque engloba baixo custo, proteção de perdas quando as ações estão em queda e probabilidade de ganhos maiores.

4.1. Baixo custo

Como as empresas distribuem os lucros aos acionistas, elas já pagam o imposto de renda antes. Por isso, não é cobrado de novo, pois a legislação entende que estaria tributando duas vezes. Entretanto, está condicionada a pessoas físicas, já as jurídicas terão que recolher o tributo.

4.2. Proteção nas quedas

Seus ativos estarão protegidos, já que negociou os valores com antecedência, por determinado período e preço. Logo, se eles subirem ou descerem a oferta continua igual até o comprador das opções acertar o pagamento.

4.3. Possibilidade de ganhos nas altas

Caso a opção de compra não tenha sido executada e as ações tenham subido, você pode repetir a operação com valor maior de venda. Assim, receberá um prêmio mais alto, além de negociar os ativos dentro do valor de mercado.

Portanto, antes de começar a investir busque conhecimento para obter educação financeira. Também diversifique sua carteira com renda fixa, dividendos sintéticos e outros ativos. Dessa maneira, terá mais rentabilidade e segurança em suas aplicações.

Agora, comente aqui se ficou alguma dúvida ou se tem experiências para trocarmos e aprendermos mais.

Posts relacionados

Deixe um comentário