Como montar uma carteira de investimentos: 3 dicas para iniciantes

3 minutos para ler

A diversificação de aplicações é uma das principais estratégias que um investidor iniciante deve adotar quando começa a investir. Isso garantirá que você, inicialmente, proteja o seu capital e obtenha rentabilidades diferenciadas com o seu capital aplicado. A forma mais eficiente de se fazer isso é montando uma carteira de investimento.

Pensando na importância desse assunto e, principalmente, na dificuldade que muitos encontram ao iniciar esse processo, nós resolvemos escrever este artigo. Nele, mostraremos três dicas simples que facilitarão a montagem da sua carteira de investimentos. Confira!

1. Entenda o seu perfil de investidor

Um dos passos mais importantes para montar uma carteira de investimentos é entender o seu perfil de investidor. Basicamente, existem três aos quais você precisa atentar. O primeiro é mais comum entre as pessoas que estão iniciando nessa jornada e recebe o nome de “investidor conservador”. Esse perfil não tem muito apetite de risco e prefere ativos de renda fixa que proporcionem o máximo de segurança possível.

Outro perfil é o de “investidor agressivo“. Essas pessoas, geralmente, têm uma ideia extremamente oposta àquela do perfil anterior. Elas já têm um apetite maior de risco, mas isso não significa que são aventureiras e que não se preocupam com o seu dinheiro.

Na verdade, essas pessoas são muito experientes e sabem que, para obter altas rentabilidades, precisam arriscar um pouco o seu capital. Entretanto, isso é feito com o máximo de cuidado e de responsabilidade, analisando dezenas de cenários e ferramentas.

O terceiro perfil de investidor é o mais comum de ser encontrado. Ele é chamado de “moderado”. A estratégia dessas pessoas é mesclar as características do investidor agressivo com as do conservador. Ele não é tão restrito com relação ao risco, porém, também não está disposto a arriscar grande parte do seu capital. Essa definição é essencial para que você possa escolher os ativos que comporão a sua carteira de investimentos diversificada.

2. Defina objetivos de curto, médio e longo prazo

O próximo passo é definir os seus objetivos de curto, médio e longo prazo. Isso também terá impactos de forma significativa na hora da escolha dos ativos para compor a sua carteira. Isso porque existem investimentos que dependem de o capital ficar aplicado por um prazo maior para garantir rentabilidades mais interessantes.

3. Conheça as opções de renda fixa e variável

Por fim, é essencial que você também conheça todas as classes de ativos que podem ser opções capazes de diversificar as suas aplicações. Muitas pessoas que estão iniciando no mercado financeiro têm certo receio em aplicar nos ativos de renda variável e ficam restritas exclusivamente àqueles considerados de renda fixa.

Isso prejudica e limita muito a rentabilidade das suas aplicações. Portanto, não tenha medo da renda variável! Apesar de existirem riscos nessa modalidade, eles podem ser consideravelmente dirimidos se você contar com as análises corretas e com dicas de profissionais especializados no assunto.

Seguindo essas orientações simples, você terá condições de montar uma carteira de investimentos diversificada que proporcionará rentabilidade e segurança. Também é fundamental que você conte com um assessor de investimentos. Ele entenderá o seu perfil e o auxiliará na hora de escolher os ativos adequados.

Para tanto, entre em contato conosco e veja como podemos ajudar nessa jornada no universo dos investimentos.

Posts relacionados

Deixe um comentário